domingo, 15 de julho de 2012

São Paulo ganha primeira escola de pompoarismo do Brasil

Lu Riva começou a treinar por conta de um problema de saúde, mas hoje usa a técnica na cama e garante orgasmos poderosos
São Paulo acaba de ganhar uma escola inusitada. Sediado num sobrado pintado de vermelho em uma pacata rua da Vila Mariana, o Espaço Lu Pompoar começa a disponibilizar neste mês de fevereiro cursos para mulheres aprenderem a exercitar suas vaginas. Isso mesmo, a capital paulista passa a ter agora o primeiro lugar no Brasil dedicado ao ensino do pompoarismo – prática oriental de contração e relaxamento dos músculos vaginais com intuito de aumentar o prazer sexual, além de outros benefícios terapêuticos. Quem está no comando do negócio é a ex-bancária e atual sex trainer Lu Riva, de 32 anos.

Lu Riva é professora de pompoarismo
Quando começou a estudar a técnica de origem indiana, há sete anos, Lu não estava em busca de algum tempero para incrementar a sua vida sexual com o marido, mas sim de um recurso que pudesse resolver determinado problema de saúde. “Eu passei dois anos sofrendo com infecções urinárias. Procurei alguns médicos, mas ninguém conseguia resolver. Pesquisando alternativas, descobri que o pompoarismo poderia ajudar. Comecei a treinar, deu certo, e eu nunca mais tive infecções”, conta a paulistana, que mais tarde passou a usar o método para o prazer. “Depois de três meses treinando, consegui fazer o meu primeiro movimento, o de estrangular. Estrangulei o meu marido, mas não no pescoço, claro. Aliás, ele está vivo até hoje”, brinca sobre a habilidade de apertar a glande do pênis com um dos anéis vaginais.

Bem de saúde e satisfeita na cama, ela não resistiu e comentou com as colegas de trabalho sobre as maravilhas da prática. “Contei para elas como era o pompoar. Eu falava que era muito prazeroso, diferente e forte. Você treme, grita”. Não deu outra: todas ficaram com vontade de aprender e Lu passou a compartilhar a técnica com pequenos grupos de amigas. As reuniões começaram a ficar cada vez mais constantes e a paulistana decidiu transformar o hobby em negócio, fazendo da sua própria residência um espaço para dar aulas de pompoarismo.

Como já tinha conhecimentos de dança do ventre, Lu começou a misturar as duas técnicas e desenvolveu um método. “Por exemplo, na dança do ventre tem o movimento do camelo, aquele de ondular a barriga. Eu vi que dava pra fazer o mesmo com a vagina. Você suga e expulsa”, explica a expert, que é totalmente autodidata. Essa mistura foi dando certo e ela começou a dar aulas especiais em academias de ginástica exclusivas para mulheres. Os workshops em feiras eróticas e ‘chás de lingerie’ também foram acontecendo. Primeiro em São Paulo, depois em todo Brasil e até em Portugal.

No ano passado, a paulistana decidiu que era hora de concretizar o seu grande sonho, abrir uma escola dedicada à técnica. O negócio é familiar, o marido cuida da parte administrativa do espaço. O curso extensivo de pompoarismo oferece uma aula por semana e é dividido em três módulos semestrais – básico, intermediário e avançado. Só mulheres podem se inscrever. Para se tornar uma professora da técnica é preciso cursar um ano e meio, mas com oito meses de aulas e treinos em casa já é possível ficar craque na prática.

Para as interessadas, Lu Riva ensina um exercício fácil que pode ser feito até durante o trabalho – mas sem dar bandeira, claro. “Um movimento fácil é simular que está interrompendo o xixi, mas sempre com a bexiga vazia, porque se ela estiver cheia você pode provocar uma infecção urinária”, diz. Você vai saber que está certo quando o clitóris e o monte de vênus – aquela região acima do púbis onde crescem os pelos – mexerem. “Lembrando que o pompoarismo não é só ter controle no fechar da vagina, mas também no abrir”.
Bolinhas tailandesas ajudam na prática do pompoarismo

De acordo com ela, a grande sacada da técnica é identificar os três principais anéis vaginais. O primeiro fica na área do períneo, entra a vagina e o ânus, o segundo próximo ao clitóris, e o último perto do colo do útero. “Você começa com a consciência corporal, depois aprende a mexer cada parte, aí começa a ter controle, agilidade e força para arrasar na hora do sexo. Eu brinco que depois do pompoarismo você passa a ter orgasmos de 220 volts, e não o normal de 110”, diz a professora. E eles também agradecem: "Algumas alunas não contam para os seus maridos que estão aprendendo pompoarismo. E na hora do sexo fazem a surpresa. Eles ficam loucos. Falam: 'Nossa, onde você aprendeu isso? Aperta mais!’”

Mas será que o pompoarismo deixa mesmo os músculos vaginais tão fortes? “Claro que sim, na Tailândia são comuns os campeonatos de atirar bolinhas. Dá até para espremer um limão, mas eu não recomendo, porque ia arder tudo lá embaixo”,

Outra opção é com Stela Alves

Nenhum comentário:

Postar um comentário